Blog Simplic

20 December 2021

12 dicas financeiras, uma para cada mês de 2022, que vão mudar sua relação com o dinheiro

Mais um ano se aproxima e a pergunta que fica é: como foi a sua relação com o dinheiro este ano? Se a resposta for negativa, este é o momento para começar a repensar essa situação.

É evidente que o momento econômico do país, assim como a pandemia, são fatores que precisamos considerar como um cenário nada favorável para as finanças. No ranking do desemprego, o Brasil tem a quarta maior taxa do mundo.

E o número de pessoas endividadas também aumentou. No mês de setembro a porcentagem de brasileiros com alguma dívida chegava a 74% da população total.

Além disso, aprender a lidar com as finanças pessoais não é tarefa fácil, exige muita força de vontade e comprometimento, mas quando existe planejamento e controle financeiro, o impacto é rapidamente percebido.

E, para que esse cenário seja diferente em 2022, separamos 10 dicas financeiras para colocar em prática e dar adeus aos problemas financeiros.

Leia também: Os filmes que ensinam sobre finanças: Como a sétima arte pode ajudar na educação financeira

1 Conheça seus ganhos e gastos

Toda organização financeira precisa começar pela identificação de sua receita e despesas.

A receita é todo valor que entra a cada mês, ou seja, salário, trabalhos como freelancer e renda extra devem ser considerados nessa soma. Já as despesas podem ser separadas em duas categorias:

  • Despesas fixas: são custos que independem do consumo, como por exemplo: Plano de internet, aluguel, condomínio, plano de saúde, parcela de empréstimo pessoal, entre outros
  • Despesas variáveis: aqui como o próprio termo sugere, são os custos que vão variar de acordo com o consumo, como conta de água, eletricidade, gás, gastos com alimentação e transporte.

2 Defina prioridades

Ter consciência do que é prioridade e o que pode ser apenas supérfluo é um passo importante do planejamento financeiro. Uma tática interessante é separar em uma lista o que é prioridade do que é vontade.

Existem métodos que podem auxiliar na divisão do orçamento pessoal, como o 50-30-20, que funciona da seguinte forma:

  • 50% do seu rendimento deve ser destinado para gastos essenciais como aluguel, contas, educação e alimentação;
  • 30% da renda mensal deve cobrir gastos dispensáveis como inscrições em serviços de streaming, passeios e compras;
  • 20% do montante total deve ser usado para pagar dívidas e investir.

3 Gaste menos do que ganha

Gastar menos do que ganha é uma regra simples mas difícil de aplicar quando não existe um planejamento financeiro estruturado.

Alguns cuidados devem ser tomados, principalmente com relação ao cartão de crédito, pois é muito comum começar a utilizar o limite, que muitas vezes não é compatível com a renda atual, e não conseguir pagar as faturas. E o resultado aqui não pode ser outro: Endividamento.

 

4 Se puder, evite comprar parcelado

Muita atenção com a famosa frase “parcela no crédito”. Se você já está aplicando as dicas anteriores, com pleno entendimento do seu momento financeiro, os riscos de contrair uma dívida no cartão diminuem.

Além disso, os estabelecimentos muitas vezes costumam dar descontos para pagamento à vista, pois alguns lojistas descontam a taxa aplicada ao pagamento em cartão de crédito, que é de cerca de 5%.

5 Comece já uma reserva de emergência

Independente do momento financeiro, imprevistos acontecem, portanto, ter dinheiro guardado para situações inesperadas é essencial.

A reserva de emergência é aquele fôlego quando o dinheiro aperta no final do mês, ou em uma situação de desligamento inesperado do trabalho, entre muitas outras.

O ideal é que você economize seis meses do seu custo de vida total em uma conta poupança ou em uma aplicação de alta liquidez, ou seja, que permite o resgate do dinheiro no momento que você precisar.

A conta é simples, se você gastar R$1350 ao mês com aluguel, condomínio, mercado, conta de água, luz e plano de internet, você deve economizar cerca de R$8.100 em sua reserva de emergência.

6 Guarde pouco, mas guarde sempre

Além da reserva de emergência, é importante poupar sempre. Por exemplo: meu objetivo é guardar 50 reais todo mês na poupança, mas este mês não sobrou esse valor. Não importa… o que realmente importa aqui é o hábito de poupar, independentemente do valor.

Sobrou 20 reais, é este valor que você guardará. No próximo mês consegue guardar mais e assim poupar se transforma em um costume.

7 Tenha apenas um cartão de crédito

Não tenha mais do que um cartão de crédito para uma eventual emergência. Adquirir mais de um cartão pode criar uma falsa sensação de ter dinheiro, e o que seria um bom recurso, acaba virando uma dívida.

 

8 Cuidado com o cheque especial

A mesma lógica da dica anterior se aplica ao uso do cheque especial, ou seja, aquele valor adicional que consta em sua conta corrente e que dá uma falsa sensação de que você tem mais dinheiro do que realmente tem.

Não se engane, utilize esse limite especial apenas em emergências e tente cobrir o valor gasto o mais rápido possível, pois o cheque especial funciona como um empréstimo com juros elevadíssimos.

 

9 Priorize o pagamento de dívidas

Quem deseja organizar a vida financeira precisa eliminar as dívidas o mais rápido possível. Mas é importante seguir um passo-a-passo.

Comece listando todas as dívidas, em seguida, consulte o valor atualizado dos débitos junto à instituição financeira, some esses valores e busque opções de financiamento, garantindo que as parcelas caibam no seu bolso.

Uma opção bacana é aproveitar o Feirão Serasa Limpa Nome que oferece a possibilidade de quitar dívidas com até 80% de desconto.

Além disso, o empréstimo pessoal online pode ser uma excelente opção para quitar outras dívidas, pois além de trocar uma dívida cara por uma mais barata, você consegue reunir várias parcelas em apenas uma. Consulte as condições do empréstimo pessoal da Simplic.

 

10 Use a tecnologia a seu favor

A tecnologia pode ser uma aliada na hora de organizar as finanças. Hoje existem ferramentas que facilitam o controle do planejamento financeiro.

Você pode utilizar aplicativos para organizar as despesas, planner financeiro e muitos outros recursos disponíveis.

 

11 Comece a poupar para o futuro

Poucos brasileiros possuem um plano de previdência privada, ou seja, uma conta poupança reservada para a vida pós-aposentadoria. Mas quanto antes você começar a guardar dinheiro para seu futuro, mais tranquilidade você terá quando chegar à terceira idade.

Os planos de previdência privada variam de acordo com a sua idade, sendo que quanto mais jovem você começar a investir, menor deverá ser o valor guardado. Mas é importante ressaltar que a previdência privada é um investimento de longo prazo, ou seja, o dinheiro não pode ser sacado a qualquer momento.

 

12 Busque conhecimento sobre finanças

Entender o universo financeiro proporciona maior autonomia e compreensão sobre o impacto da economia em nossas vidas. Além disso, para começar a investir e saber onde o seu dinheiro renderá mais, é preciso conhecer o básico do mercado financeiro.

Comece aos poucos seguindo especialistas na internet e acompanhe também as dicas e conteúdos que disponibilizamos aqui no Blog Simplic.

 

Simule seu empréstimo