Blog Simplic

29 abril 2019

Empréstimo com garantia de imóvel: saiba como funciona

Dentre as variadas modalidades de empréstimo se encontra o chamado empréstimo com garantia de imóvel. Esta opção é um pouco diferente, geralmente utilizada quando envolve uma quantia mais alta em dinheiro, que você precisa emprestar de uma instituição financeira.

À primeira vista, pode parecer bastante atrativa, principalmente por causa de suas vantagens. Porém, é importante ressaltar que nem todas as pessoas se enquadram na realização do refinanciamento imobiliário. Inclusive, nem todos os imóveis são aceitos como garantia.

Entenda o que é, como funciona e se existe algum risco em solicitar o crédito:

O que é empréstimo com garantia de imóvel?

O empréstimo com garantia de imóvel é também chamado de refinanciamento imobiliário.

Empréstimo com garantia de imóvel, conhecido também como alienação fiduciária ou refinanciamento imobiliário, é um crédito que você consegue junto a uma instituição financeira ao colocar sua casa ou apartamento como uma garantia de pagamento.

Como a empresa tem uma segurança a mais de que realmente vai reaver o valor emprestado, os juros são mais baixos e você pode ter acesso a quantias mais altas. Sem contar os prazos de pagamento, que, na maioria dos casos, são mais atrativos.

No momento em que realiza a solicitação de crédito, seu imóvel passa a ser da instituição financeira (deixa de estar em seu nome) até que você termine de quitar todos os pagamentos referentes ao empréstimo. Você continua morando na sua casa, porém, sem que o bem esteja no seu nome.

É um empréstimo bastante atrativo, devido às menores taxas de juros. Apesar disso, o indicado é sempre colocar tudo no papel, pois há o risco de perder o imóvel se você não conseguir arcar com as parcelas e pagar o que deve. Então, pode-se dizer que é um tipo de crédito que não é recomendado para todas as pessoas. É preciso ter um perfil específico, para arcar com a dívida sem medo.

Como funciona?

Cada instituição financeira tem seu próprio processo de solicitação de crédito, porém, o funcionamento é bastante parecido.

O primeiro passo para contratar um refinanciamento imobiliário é realizar a simulação, para comparar todas as opções disponíveis – de preferência, em empresas diferentes, para que você possa estudar melhores prazos de pagamento e taxas de juros.

Em seguida, é preciso enviar alguns documentos, para avaliar se sua solicitação pode ser aceita. São documentos ligados a comprovação de renda e da própria casa ou apartamento que você deseja entregar como garantia. Além da análise de crédito pessoal, o imóvel também é avaliado.

Se aprovado, basta assinar os papéis e realizar alguns serviços em cartório, pois, como dito no tópico anterior, o imóvel passará a ser da instituição financeira, deixando de estar no seu nome.

Esse empréstimo é interessante para pessoas que precisam emprestar valores mais altos, mas ao mesmo tempo buscam por taxas de juros menores e prazo de pagamento maior. Junto a isso, possuem boa saúde financeira. O que desejam é que as parcelas não pesem tanto no orçamento, para que possam realizar algum sonho, como viajar, reformar a casa ou dar início a um negócio. Vale comentar que apenas 60% do valor total do imóvel pode ser financiado.

Quais são as principais vantagens?

Antes de fechar negócio e escolher o empréstimo com garantia de imóvel, é indicado verificar se é realmente vantajoso para você.

Se você se interessou pelo empréstimo com garantia de imóvel, é interessante verificar se é vantajoso. Algumas das principais vantagens do refinanciamento imobiliário são:

1. Taxas mais baixas

Um dos grandes receios de qualquer instituição financeira em emprestar dinheiro é a questão da inadimplência. Com isso, empréstimos tradicionais tendem a ter taxas de juros mais altas, uma garantia para os bancos e empresas de empréstimos.

Quando existe uma garantia dada para a empresa (no caso, o imóvel), as taxas de crédito tendem a ficar mais baixas e atrativas. Torna-se interessante para a pessoa física – que pode solicitar um valor maior – e para a instituição financeira, que sabe que vai reaver aquele valor emprestado de qualquer maneira.

2. Prazo de pagamento maior

Em outras modalidades de empréstimo, o prazo de pagamento costuma ser mais restrito, para que o banco consiga recuperar mais rapidamente o valor que foi emprestado. No caso do refinanciamento imobiliário, como foi deixado o imóvel como garantia, é possível oferecer um prazo maior para pagamento.

Pode chegar a até 240 meses, o equivalente a 20 anos.

3. Não é preciso explicar a finalidade do dinheiro emprestado

Financiamentos exigem que você explique em que irá aplicar o dinheiro solicitado. Por exemplo, compra de um imóvel, reforma de uma casa, compra de um carro. No caso de empréstimo com garantia de imóvel, não é preciso dizer o que vai ser feito com o valor emprestado.

Você pode, por exemplo, usar para fazer uma viagem, um intercâmbio e até mesmo para abrir um negócio. Ou seja, quem decide o destino do dinheiro recebido, é você.

4. Prestações decrescentes

Na maioria dos casos, as parcelas são decrescentes, começam mais altas e vão diminuindo ao longo do tempo. A ideia é facilitar o pagamento, de forma que não prejudique suas finanças. Para verificar se o valor realmente diminui, faça uma simulação antes de contratar o empréstimo.

5. Não é preciso deixar sua casa ou apartamento

Apesar de a instituição financeira passar a ser a dona do seu imóvel – ao menos até que você quite todas as parcelas do refinanciamento ou decida vendê-lo – você não precisa deixar sua casa.

Desde que continue a pagar em dia as parcelas, pode ficar tranquilo e aproveitar o seu lar.
Em alguns casos, são descontadas automaticamente da sua conta-corrente, o que facilita o dia a dia e evita que você se esqueça de pagar algum dos boletos.

6. Possibilidade de fazer a solicitação online

Algumas empresas permitem que toda a solicitação seja realizada online. Ou seja, você precisa apenas organizar todos os documentos, enviar para a empresa para a qual deseja solicitar o empréstimo e aguardar a aprovação. O dinheiro é depositado diretamente na sua conta.

7. Portabilidade do crédito

Quem optou por fazer o refinanciamento imobiliário diretamente com um banco tem mais uma vantagem, que é a portabilidade do crédito. Caso as taxas de juros sejam mais atrativas em outra instituição financeira, basta solicitar a portabilidade da dívida para o novo banco escolhido.

Atenção

Apesar de possuir vantagens, um empréstimo é algo que exige cuidado. Afinal, talvez a modalidade em questão não seja a melhor para você. Antes de realizar um empréstimo com garantia de imóvel, leve em consideração que:

1. Nem todos os imóveis são aceitos como garantia

A análise do imóvel, após a solicitação do empréstimo, não é feita à toa. Nem todas as casas ou apartamentos podem ser utilizadas como garantia. Tudo depende da instituição financeira com a qual está negociando. Durante a análise, são levados em conta os metros quadrados e a finalidade do imóvel em questão.

2. O banco pode leiloar o imóvel caso o empréstimo não seja pago em dia

Atrasar parcelas não é recomendado em nenhuma situação, mas, no caso do refinanciamento imobiliário, a situação fica um pouco mais crítica. Como você deu o imóvel como garantia, o banco tem o direito de leiloá-lo, caso você fique inadimplente.

3. O imóvel como garantia permite um empréstimo por vez

Nesta modalidade de empréstimo, você pode colocar seu imóvel como garantia apenas uma vez por solicitação de crédito. O que isso significa? Que até que você termine de pagar esse empréstimo, não poderá usar o mesmo imóvel como garantia em uma nova solicitação.

4. Você precisa comprovar renda

Por mais que o imóvel seja dado como garantia, isso não significa que você não terá que fazer nenhuma comprovação de renda. Mesmo que possua uma casa ou apartamento de alto valor, se o banco identificar que sua renda não é compatível com o dinheiro que solicitou, pode negar o empréstimo.

5. Apenas 60% do valor do imóvel pode ser refinanciado

Existe um limite de valor que pode ser emprestado, mesmo que o imóvel valha bastante. As instituições financeiras emprestam no máximo 60% do valor da sua casa ou apartamento. Seria mais uma garantia para evitar inadimplência.

6. Você pode vender o imóvel dado como garantia

Você pode vender um imóvel que foi utilizado como garantia de um empréstimo, porém o processo de venda será diferente do tradicional. Durante a negociação com o comprador, é preciso esclarecer que: parte do valor pago na compra do imóvel será utilizado para quitar a dívida junto ao banco. Assim, o novo dono terá a casa ou apartamento em seu nome e não no da instituição financeira.

Ficou alguma dúvida?

Como você pode ver, o empréstimo com garantia de imóvel é interessante devido a algumas questões, como prazo e taxa de juros. Apesar disso, exige cuidados e nem todas as pessoas podem apostar no refinanciamento imobiliário como a melhor opção.

Caso tenha ficado com alguma dúvida sobre o tema, deixe nos comentários. Aproveite também para compartilhar o artigo em suas redes sociais e permitir que mais pessoas conheçam a alienação fiduciária.

Simule seu empréstimo